Total de visualizações de página

segunda-feira, 25 de abril de 2011

CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO

CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO DAS
ESCOLAS CONTEMPORÂNEAS


Cleber de Souza

14/02/2008

RESUMO

A busca constante por um sistema de educação perfeito é a grande preocupação da sociedade na atualidade. Um tema amplo que vem sendo discutido por educadores, políticos, pensadores, famílias e sociedade. Qualidade na educação, formação de professores, escola inclusiva, direitos e deveres das escolas, adequação do ensino regular, médio e segundo grau, cursos de graduação, pós-graduação, ensino à distancia,  são alguns destes temas que estão sendo objetos de estudo e análise. Uma melhoria em nossas metodologias é necessária. A criança como parte principal e seu aprendizado como objetivo da escola, é o que busca a maioria das instituições. Não só a formação intelectual mas o desenvolvimento de habilidades e pensamento crítico neste contexto em que vivemos também é avaliado. Mas qual seria as habilidades necessárias? Qual o conteúdo adequado? Qual o dever da escola e do professor? O que a sociedade se preocupa em formar?


Palavras-chave: Educação, Escola, Atualidade.


1. INTRODUÇÃO


Para compreendermos melhor como se dá as concepções de educação na atualidade, precisamos analisar o contexto educativo desde o passado, como funcionavam as escolas, o que os alunos aprendiam, como os professores interagiam  com os alunos, entre outros. As escolas ditas tradicionais existiam em todo o mundo, sendo impossível classifica-las, por assim dizer poderíamos afirmar que existiam escolas de todo tipo. Escolas com regime militar, escolas religiosas (mosteiros), escolas para mulheres, escola para guerreiros e tantas outras. Em grande parte todas tinham um objetivo claro educar, mas muitas vezes o meio como faziam e o que educavam é que era o problema.

Existia por exemplo, escolas que educavam mulheres para serem donas de casa e qualquer pensamento diferente disso a aluna naquela sociedade era excluída. Na maioria das instituições existiam regras severas de conduta, sendo o aluno castigado caso não cumprisse as normas. O ensino de que as verdades eram aquelas impostas pelo professor e que nunca poderiam ser questionadas era mais comum do que se imagina. A educação era tida até então como arma da soberania que educava um povo para não questionar e sim obedecer. Felizmente isso mudou.

2. CONCEPÇÕES DA ESCOLA ATUAL

            Para deixar claramente quais os objetivos da escola atual primeiro precisamos definir que a obrigação das escolas é primeiramente levar ao educando o conhecimento necessário para sua formação pessoal  e ou profissional, tornando-o cidadão. O grande desafio neste é saber no entanto o que é importante para a formação desse aluno. Qual o conhecimento necessário, de que forma levar até o aluno esse conhecimento para que ele aprenda de forma significativa, ou seja, aprenda para a vida toda e não apenas decore o conteúdo como se fazia antigamente. Essa preocupação se faz presente e pode-se afirmar que uma adequação curricular modificando as formas pedagógicas de ensinar vem sendo realizada pela comunidade educativa. Os parâmetros de educação antigos estão sendo reformulados para atender as necessidades de todas as crianças, revendo assim a forma de educar que garanta o aprendizado e desenvolvimento desta criança por completo. A escola portanto preocupada em formar cidadãos críticos, capazes de pensar, refletir, analisar, modificar a situação em que vivem já é uma realidade em algumas instituições, porém estamos longe de atingir essa meta todo vez que vemos na mídia a notícia de que em alguma cidade do interior uma pessoa pegou a garagem de sua casa e transformou em escola, ou quando ouvimos dizer que tal professor , apresenta projetos lindos, só no papel, não acontecendo na prática educativa.

...“A educação tem como principal objetivo, preparar e orientar para que as crianças e adolescentes se tornem pessoas capazes de refletir, questionar e cria suas próprias opiniões. Só é possível mudar o mundo através da educação. Educação com amor, respeito, dedicação e comprometimento. O começo dessa grande mudança deve ocorrer no educador, que deve primeiramente quebrar antigos paradigmas e conceitos que não se aplicam aos dias de hoje”.


 A escola tem objetivos claros quanto a educação, mas muitas são as pedras em que tropeça podendo ser citadas algumas como falta de infra-estrutura, falta de formação dos educadores, falta de direção escolar competente e preparada profissionalmente, desvalorização do professor, alunos sem nenhuma estrutura familiar e sem nenhum senso de respeito mútuo, síndrome do pensamento acelerado em que vivemos neste mundo capitalista e consumista, entre tantos outros.

Para que se possa ter uma educação de qualidade é preciso valorizar o profissional com salário digno, onde ele possa trabalhar menos e se dedicar mais. Hoje temos professores trabalhando três períodos para sobreviver, sem tempo para se dedicar. E sem dedicação não há educação de qualidade. juraci brunet, 19/8/2007

3. O PAPEL DA ESCOLA E DO PROFESSOR



Como citado anteriormente a educação ainda tem muito à mudar. Viemos de uma educação em que os sistemas adotados eram as escolas tradicionais, escolas militares, escolas com regime interno e tantas outras. Hoje apesar de ainda existirem escolas deste porte a educação geral, o ensino regular, esta se adequando a necessidade de se abrir para o aluno, para a sociedade. Embora infelizmente ainda existam escolas e professores ainda usando métodos arcaicos a era da informação em que vivemos vai exigir que as instituições e os professores que não inovarem sua prática educativa para algo mais dinâmico, mais prático, mais atual, vão aos poucos tendo que fechar suas portas quando se trata de instituição e em relação a professor ficando pra traz, não tendo mais o retorno esperado de seus alunos.
Hoje infelizmente a escola tem papel bastante distintos,  variando de instituição de ensino, instituição de apoio social, educação familiar (a escola muitas vezes tem que fazer o papel de pai e mãe da criança), entre tantas outras situações que se pode imaginar. Neste contexto a educação atual tem muito à mudar. A função primeira da escola é levar o conhecimento ao aluno através de professores preparados para tal, o que muitas vezes não acontece. É um tanto assustador e triste mas a realidade de nossas escolas é exatamente essa. Existem situações em que temos estruturas, prédios, salas impecáveis e professores despreparados, bem como o contrário, professores altamente profissionais atuando com condições mínimas de trabalho.
Em primeiro lugar, o professor tem que mudar toda a sua metodologia e a visão do que é ensino/aprendizagem, hoje, e se preparar para lidar com alunos que muitas das vezes estão bem mais informados que ele. Estamos vivendo a era da informação. O aluno passa o dia na internet, na TV recebendo de todas as direções informações. E o professor correndo
de uma escola para outra sem dar conta as atividades pedagógicas básicas. Se o professor não se conscientizar da necessidade urgente dessa mudança (se capacitando, se atualizando, procurando sempre acompanhar as mudanças, que a todo momento vem ocorrendo, ficará à margem. Com certeza ficará ultrapassado. Penso que o professor deva ter uma meta-capacitação continuada sempre. Precisamos aprender a lidar com tantas informações. Precisamos nos capacitar para podermos transformá-las em conhecimento. Nossos alunos precisam dessa contribuição e vejo como uma situação
preocupante, pois o que vemos são muitos professores que se acomodaram em suas salas de aulas e nem se quer lêem um livro ao ano. Sei que o computador nunca substituírá a presença do professor, pois a relação humana entre ambos é necessária, mas que já temos muitas situações em que o professor já não tem seu lugar tão garantido. Precisamos nos abrir às mudanças e corrermos contra o tempo e rápido.



4. O PAPEL DA FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO



Antigamente a criança desde cedo era encaminhada à escola para que lá recebe-se toda a formação pessoal, intelectual necessário para vida. Acredita-se que por meio de sistemas mais rígidos, nem sempre o mais correto, tanto na família como na escola, a criança aprendia os valores do que é certo e o que é errado, do sim e do não, do bem e do mal, da liberdade e até onde ela se limita. Os professores e os pais impunham respeito, através de violência física e psicológica, a criança não tinha opinião própria nem vez no meio em que vivia. Hoje os tempos são outros. As crianças ganharam direitos a ter opinião própria , ganharam liberdade de expressão. O desafio neste contexto dos pais está em aparar as arestas e realmente educar essas crianças. O que antigamente era considerado dever do estado e das escolas hoje é da família. A formação pessoal do ser da criança inicia na família. É lá que ela vai aprender a ouvir um não ou um sim na hora certa, aprender a dividir, descobrir o que é o respeito pelo próximo, quais são os seus limites. Aprendendo os valores a partir de casa, a criança ao chegar na escola terá com certeza um convívio social mais pacífico correspondendo de melhor maneira ao desenvolvimento intelectual, social e de habilidades estimuladas pelo professor. A função da família é na realidade estimular o desenvolvimento da criança, seja sua psicomotricidade, habilidades, sua capacidade de superar desafios, incentivar a arte, a pensar, dar segurança e apoio quando essa estiver freqüentando um ambiente escolar participando de sua vida diária, respeitando-a,ouvindo e amando-a.
Segundo a educadora Célia Maria Bernado, não é impossível dar continuidade a uma educação que o aluno já traz de casa; é difícil, porque tanto as crianças quanto os jovens chegam à escola com uma série de ensinamentos recebidos da família. Repito: recebidos, não sei se ensinados, pois o que vemos hoje é pai obedecendo aos filhos, fazendo- lhes as vontades e, quando a ação se inverte, não há ensinamentos. Nós, professores, recebemos esses alunos com a missão de reforçar o que a família faz só que, muitas vezes, os vícios praticados em casa tornam-se barreiras, impedindo que o professor possa trabalhar de forma correta o que é necessário para a educação das crianças e dos jovens. Outro empecilho é a figura do educador. Como isso mudou! De um lado a proibição aos alunos no que se refere a fumar, a sentar-se na mesa, a usar termos chulos; do outro lado, o professor pode tudo. E aí, como se cobrar o que não se faz? Lamento profundamente a perda dos referenciais que nós, professores, temos de incutir em nossos alunos. Temos de ter postura de mestres, porque a gente sabe, perfeitamente, que aos professores o aluno obedece; ao educador, ele escuta; mas ao mestre, ele segue. E a nossa preocupação tem de ser mesmo é nesse seguir, mas seguir frente ao que é bom, correto, justo, humano; afinal, os atrativos fáceis do mundo estão em qualquer lugar e o que a gente percebe muitas vezes é que os pais já desistiram daquele aluno, os colegas, o vizinho, o tio, mas a escola jamais pode desistir da sua missão. É compromisso e às vezes a gente insiste no termo resgate. Como resgatar uma coisa que nunca houve, nunca existiu? Estamos vivendo um tempo de 507 anos de descobrimento e, praticamente, a escola não mudou quase nada e a gente se limita a dizer que o aluno não quer nada. E eu, e você, e nós, professores, queremos o quê? O que temos feito para inverter no nosso aluno a expressão usada em plena segunda-feira à entrada da escola:"Que saco! Tudo de novo". A era é contemporânea, mas a escola precisa avançar muito.


5. CONCLUSÃO

Acredito que as concepções sobre educação ainda são muito recentes e pouco aplicadas. Um planejamento mais adequado, um estudo mais elevado sobre o assunto deve ser organizado e discutido entre todos os envolvidos na área da educação. A escola atual tem um grande desafio que é como educar crianças, jovens e adultos em uma era tão conturbada, tão cheia de paradigmas, ideologias, onde o capitalismo impera, o ter domina mais que o ser. Acredito que o primeiro passo à ser dado deve ser dos que estão a frente de seus alunos. Uma mudança de atitude dos professores em atuação, bem como dos novos se faz necessária e emergencial. Infelizmente ainda temos professores que não conhecem e nem tem noção do que estão fazendo. Somos como educadores os responsáveis pela formação, pelo conhecimento, pela criação de mentalidades, por inserir em nosso alunos o pensamento critico, dando à eles o poder de transformar a realidade em que vivem , oferecendo-lhes o conhecimento necessário para a vida. Acredito que quando todos os educadores tiverem esse pensamento aí sim a escola atual, moderna, capaz de criar cidadãos, críticos, pensadores poderá existir. Escola e educação de qualidade em todos os aspectos nunca irá existir. Teremos que nos contentar com trabalho de alguns grandes educadores que dentro da sala ou fora dela se preocupam realmente com o que estão ensinando aos seus alunos, o que eles estão realmente aprendendo, com sua metodologia de ensino, com a matemática para a vida, não se preocupando somente com seu salário, ou com os benefícios que trazem a profissão e quanto mais educadores existirem com esse pensamento melhor serão os resultados obtidos na área da educação, em nossa sociedade.

Ser educador na atualidade é um desafio e uma árdua caminhada, feita de tropeços, erros e acertos onde muitas vezes um erro nos custa um caminho sem volta para quem ensinamos.


5. REFERÊNCIAS


NASCIMENTO, Luciana Monteiro do. Educação Especial. Caderno de Estudos NEAD. Indaial, 2007.

ACHCAR, Tatiana. Inclusão do aluno com deficiência mental. Disponível em: < http://www.psicopedagogiabrasil.com.br/index.htm. Acesso em: 02/01/2008.

NOVA ESCOLA. Inclusão. Ed.Especial nº11, ano 2007.

COMCIÊNCIA. Crianças com necessidades especiais - Escola lidando com adversidades. Disponível em: <  http://www.comciencia.br/reportagens/2005/12/06.shtml . Acesso em: 02/01/2008.

http://www.educacaopublica.rj.gov.br/discutindo/discutindo.asp?cod_per=81



Nenhum comentário:

Postar um comentário